Skip to content

POLZONOFF Posts

A maratona dos quilômetros insondáveis

Cheguei até aqui. Nem sei como. Nos últimos quilômetros estava completamente quebrado. As pernas não respondiam mais, me faltava o ar. Quando avistei a subida lá no quilômetro trinta e três, me desesperei. Quase desisti. Mas aqui estou. Cheguei. No começo, confesso, não estava muito a fim. Nem sei como fui parar na linha de largada. Uma sensação de desafio, talvez? Ou era simplesmente meu “dever”? Sei lá. Só sei que soou o tiro de largada e eu não contive o choro. Dizem. Não lembro. Os primeiros quilômetros foram uma espécie de transe. Não me lembro de muita coisa. Era…

Share
Comments closed

Só um pouquinho

Eu sei que não devo me preocupar. Que, diante da adversidade, a primeira coisa a fazer é respirar fundo e ritmadamente. Sei que devo espantar os pensamentos ruins e substituí-los por formulações mais racionais. Sei que devo me perguntar “O que posso fazer quanto a isso?”. Sei que tudo é impermanente. E, na minha parede, há um quadro bem bonito no qual se lê “This too shall pass”. Sei que a mente nos “prega peças”, como se dizia antigamente. Que é preciso meditar. E “entregar-se ao Acaso” ou simplesmente “surrender!”. (Aliás, quero fazer um quadro enorme e bonito com “Surrender!”…

Share
Comments closed

Desarranjo de ossos

Também eu de minha mansarda, com as paredes precisando de pintura e os vidros quebrados pelo vento, vejo na rua as almas todas sem metafísica, sem imaginar que caminha em seu passo lento, lento demais, lento como se avançasse para o próprio túmulo, ali na calçada de pedras cortadas por mãos escravas, mas livres, necessariamente livres na minha idealização e dor, o homem que tampouco será e que ao céu pergunta. E você, Senhor, que as nuvens misteriosamente sustenta e que nos deu as cores e este calor insuportável, e você, será que cuida da vida daquela que vem na…

Share
Comments closed

Redação Nota 1000 no Enem 2017

Eis um exemplo de redação nota 1000 no Enem 2017 que viola todos os direitos humanos possíveis.   Surdez é uma abominação   Antes de mais nada, convém dizer que surdo nem é gente. Hitler, em toda a sua sapiência vilipendiada ao longo da história, sabia muito bem disso. O programa de extermínio de deficientes, entre eles os surdos, foi uma das coisas mais belas do saudoso Reich. Educar surdos, portanto, é uma inutilidade. Apesar de ser muito engraçado. Morro de rir ao ver aquelas pessoas fazendo sinais e fingindo que estão se comunicando com os surdos. Rio ainda mais…

Share
Comments closed
Let's talk