Skip to content

Category: Uncategorized

Sou este homem

Sou este homem que diz sempre “muito prazer” ao conhecer um estranho, mesmo que seja mentira. E que, ao longo da conversa, sempre dá um jeito de encaixar um “tô cansado”, mesmo não estando. Porque, no fundo (ou nem tão no fundo assim, vai), sinto uma inveja danada daquelas pessoas que chegam ao fim do dia sem tempo ou energia para refletir sobre a singularidade ou para criar super-heróis heterodoxos em textos que não encontram leitores nunca. Sou este homem louco para conversar com alguém, eternamente carente de amigos ou mesmo de colegas ou conhecidos ou não. Ao me deparar…

Share
Comments closed

Pirâmides de biscoitos ou biscoitos em forma de pirâmide

Reza a lenda e aquela coisa falha que chamo de memória que Guimarães Rosa aconselhou Fernando Sabino a abandonar as crônicas que o mineiro escrevia lá naquele estilo maravilhosamente simples dele para ambicionar construir pirâmides. Essa história é algo que sempre gera reações entre o bocejo e o ressentimento contido, até que invariavelmente aparece alguém para propor a salomônica pirâmide de biscoitos. E rimos todos e vamos para casa esmurrar o cinzel na pedreira ou sovar bem a massa amanteigada. Nos últimos dias tenho preparado muitos biscoitos enquanto a pirâmide nova não fica pronta e, na condição de padeiro (ou…

Share
Comments closed

A Síndrome de Pilotis

A Síndrome de Pilotis, descoberta pelo pesquisador japonês Arturo Pilotis, é uma doença rara, não contagiosa (há controvérsias neste sentido), que acomete homens e mulheres a partir dos sete anos de idade. Se é grave? Sim. A taxa de letalidade é altíssima (99% dos portadores morrem antes do primeiro centenário). Mas pior do que morrer é morrer sozinho. Logo, pior do que a morte é a doença em si, como veremos. Os portadores desse terrível mal são geralmente pessoas inteligentes ou que se veem assim. E, como não há marcador biológico para a doença, quem sofre da Síndrome de Pilotis…

Share
Comments closed

Licença

Peço licença para hoje, só hoje, morrer um pouquinho. Assim uns minutos passar no purgatório, rever amigos no inferno e apertar a mão de Deus no Palácio Entrenuvens. Peço licença para hoje, só hoje, esquecer e ser esquecido. E no minuto seguinte ser lembrado e velado e remontado por dezenas de histórias e mentiras a meu respeito. Peço licença para hoje, só hoje, sair do meu corpo e ir por aí assombrar as meninas que ignoraram minha existência. E os inimigos que atravancaram meu caminho. (Bu!) Peço licença para hoje, só hoje, achar que todos os dissabores e o aprendizado a…

Share
Comments closed
Let's talk