O chato

postado em: Crônica | 0

Eu sou um chato. Por quaisquer medidas que se escolha, Fahrenreit, Kelvin e sobretudo Watts. Na opinião de qualquer pessoa e certamente de alguns felinos mais arredios. Até para os fãs de U2 ou Radiohead ou, meu Deus!, Ivan Lins … Conteúdo

Um estoico distraído

postado em: Crônica | 0

Essa luta contra o ressentimento, contra o desejo de vingança, contra a inveja que dá origem a regimes totalitários (sem falar naquele seu câncer), meus amigos, essa luta é uma luta que não vale a pena lutar. Ao menos não … Conteúdo

Dorme, Caim, e descansa!

postado em: Crônica | 0

Quando o homem acorda Caim, é só uma questão de tempo até encontrar seu Abel. E, na era dos sucessos minuciosamente registrados nas redes sociais, mais evidente do que nunca parece a preferência de Deus por alguns de seus filhos. … Conteúdo

C. Q. D.

postado em: Crônica | 0

O fracasso é libertador. Ah, se é. E, levando em conta que a literatura brasileira contemporânea (e nem tão contemporânea assim) é um inegável fracasso de público e crítica, mais aquele do que essa, fico pasmo que nós (escritores, leitores … Conteúdo

A bondade

postado em: Crônica | 0

  Lá pelas tantas ela interrompe a programação normal, se vira para mim e, com toda a ingenuidade de seus olhos castanhos, me pergunta: “Você já fez alguma bondade na vida?” Abro um sorrisão de dentes tortos, certo de que … Conteúdo

Meu Walden

postado em: Crônica | 0

Comprei uma caixa de abelhas. Linda, toda branquinha, cheia daqueles compartimentos que em breve estarão pululando de vida. No momento ela está no meio da sala, desmontada, e assim permanecerá até que alguém com mais destreza no manejo de uma … Conteúdo

Tipo agora, digamos assim

postado em: Crônica | 0

A ironia é um verdadeiro milagre. É o mais próximo que chegamos da telepatia. E, como todo milagre, há os abençoados e os desgraçados, tanto emissores quanto receptores – ou, no caso, não-receptores. Para que uma ironia seja produzida numa … Conteúdo

No banho com Thoreau

postado em: Crônica | 0

  Li Thoreau pela primeira vez quando se deve lê-lo: na adolescência. Como cheguei a ele, não lembro. Na aridez daqueles anos de fome intelectual, eu lia tudo o que me aparecia na frente. Hoje gosto de pensar no milagre … Conteúdo