Skip to content

Canários

 

Largue a metafísica, Paulo! Vai lavar a louça, bater uma laje. Experimente a dor do cartorário, que não é dor, é só ritmo, é o carimbo tocando o samba cotidiano da vida.

Se lhe sobra sofrimento pelo que não sabe e pelo que insiste em sonhar no quarto escuro e pela esperança que escorre entre os dejetos do que um dia antes foi um banquete feliz, vai ver o sofrimento da cancerosa e nela admira o débil sorriso de quem ainda espera, de quem olha para o céu azul e não pensa que é alma enclausura em corpo frágil, de quem tem fé em coisas simples e óbvias, de quem acredita em rosadas frases feitas, de que vai dormir sem atinar para a metástase ou de quem vê na metástase estranha prova de Deus.

Vai, homem, deixa de lado as palavras, sente na boca o sal do próprio suor ao menos hoje, e não espera da vida nada além da putrefação certa, certíssima, inevitável. E faz do ar imóvel e úmido a alimentar seus pensamentos algo mais do que delírios de imortalidade.

Não há, bem sabemos, forma delicada de extirpar-lhe a metafísica. Por isso crava no peito o bisturi achado na sarjeta, aguenta estoicamente a dor que não é dor da carne, admira o vermelho da vida que lhe escorre – e só admira porque sabe que o sangue há de ser estancado e que o amor sufoca estes seus desejos mentirosos de morte.

Ninguém, Paulo, vai admirar sua angústia. Até porque nela não há o que admirar: a angústia é o aleijão da alma, a desfiguração do espírito carcomido pela dúvida infecciosa. Enlutados, eles dirão que é pena e que é triste e talvez alguém até escreva seu obituário – sobre o qual defecarão canários em algazarra.

Engole o choro, deixa de frescura, homem! Que o mundo não se importa com sua desimportância e os vizinhos continuarão a ignorar seu nome. “Lembra daquele chato que dizia isso e aquilo?” – perguntarão, e a resposta será uma negativa que ecoará pelo tempo. Você foi nada, é nada, será nada. Pode espernear! Ainda assim o nada o envolverá como um cobertor negro: é o Universo pondo um fim no que um dia foi um bom pesadelo.

Share
Publicado comoUncategorized