Sonhos

postado em: Crônica | 0

Quando estava no fundo mais fundo do poço profundo em que me enfiei por umas tristezas que nem vale a pena comentar, costumava dizer às pessoas que não tinha mais sonhos. E por um motivo simples: eu havia realizado todos … Conteúdo

Sou este homem

postado em: Uncategorized | 0

Sou este homem que diz sempre “muito prazer” ao conhecer um estranho, mesmo que seja mentira. E que, ao longo da conversa, sempre dá um jeito de encaixar um “tô cansado”, mesmo não estando. Porque, no fundo (ou nem tão … Conteúdo

O Impronunciável

postado em: Crônica | 0

— Então é assim? — perguntei para o nada. Ao meu redor, o branco fofo das nuvens infantis. Uns prédios dourados, possivelmente de ouro. O som de milhões de harpas dedilhadas por anjos nus, mas sem sexo. Aquele lá ao … Conteúdo

Ou não

postado em: Crônica | 0

“O importante é começar o texto com aspas, para já impressionar o leitor com sua cultura vasta”, disse o poeta cipriota Alxdje Xiruhqd. Repare na quantidade de consoantes e na impronunciabilidade do nome. E também na nacionalidade remotíssima. Não se … Conteúdo

A Era das Ideias Imperdoáveis

postado em: Crônica | 0

Aos meus leitores do futuro desmemoriado (isto é, a partir da semana que vem), convém contextualizar: em maio de 2018 o Brasil enfrentou uma greve de caminhoneiros que teve graves consequências para o país, tanto econômicas quanto políticas. Houve gente … Conteúdo

O umbigo

postado em: Crônica | 0

Era uma vez um escritor que nunca tinha começado uma história com “era uma vez” e achou que estava mais do que na hora de usar esse delicioso chavão. Num dia qualquer, desimportante demais para ter sido anotado por qualquer … Conteúdo

Meu velho

postado em: Crônica | 0

Oi, Paulo.   Estou aqui para lhe dar, antes de mais nada, os parabéns. Porque apesar de tudo, das depressões adolescentes, das crises profissionais, das noites mal dormidas, das dúvidas profundas, do luto por amigos que se foram cedo, do … Conteúdo

Uma boceta de palavrões

postado em: Crônica | 0

Cresci numa casa onde era proibido falar palavrões. Crime gravíssimo, punido com uma medieval cintada na bunda. Isso, claro, só tornou os palavrões ainda mais fascinantes para a criança algo rebelde que fui. Não entendia o poder transgressor daquelas palavras … Conteúdo

Um texto de merda

postado em: Crônica | 0

Eu me lembro da primeira vez que comi merda. Foi meio por acaso, durante uma visita a um amigo de um amigo de uma amiga de uma moça que eu namorava na época. Daniel, este era o nome do moço. … Conteúdo